quinta-feira, 3 de abril de 2014

São José de Anchieta

Olá meus queridos amigos.
É com grande alegria que o nosso blog da amizade registra uma linda história sobre o Padre José de Anchieta, com um resumo da sua vida e a grande vitória que foi a sua canonização, realizada hoje, 03 de abril de 2014.
Padre José de Anchieta: um dos fundadores da cidade de São Paulo.
O papa Francisco assinou nesta quinta-feira, no Vaticano, a canonização do padre José de Anchieta (1534 - 1597) e o tornou oficialmente o terceiro santo brasileiro. São José de Anchieta agora se junta a Madre Paulina, canonizada em 2002 pelo Papa João Paulo II, e a Frei Galvão, que se tornou em 2007, no papado de Bento XVI, o Santo Antônio de Sant'Ana Galvão. Nascido nas Ilhas Canárias em 1534, Anchieta veio para o Brasil aos 19 anos e aqui fez toda sua obra como evangelizador. A canonização de Anchieta foi oficializada por decreto, dispensando a exigência de comprovação de um milagre. A iniciativa de fazer desse modo partiu do próprio papa Francisco, que fez toda sua carreira na Igreja Católica na ordem jesuíta, a mesma de Anchieta.

Padre José de Anchieta foi um padre jesuíta espanhol que atuou na catequização de índios e evangelização no Brasil durante a segunda metade do século XVI. Foi também teatrólogo, historiador e poeta.
Nascimento: Padre José de Anchieta nasceu na cidade de San Cristobal de La Laguna (Espanha) em 19 de março de 1534.
Morte: Padre José de Anchieta morreu na cidade de Iriritiba (atual Anchieta no estado do Espírito Santo) em 9 de junho de 1597.
Beatificação: José de Anchieta foi beatificado pelo papa João Paulo II em 22 de junho de 1980.
Principais realizações:
- Catequizou índios brasileiros no século XVI, na região da atual cidade de São Paulo.
- Foi um dos fundadores da cidade de São Paulo.
-Participou da fundação do Colégio de São Paulo.
- Defendeu os índios brasileiros das tentativas de escravização por parte dos colonizadores portugueses.
- Lutou ao lado dos portugueses contra os franceses estabelecidos na França Antártica.
- Dirigiu o Colégio dos Jesuítas, no Rio de Janeiro, entre os anos de 1570 e 1573.
- Foi nomeado, em 1577, Provincial da Companhia de Jesus no Brasil.
Principais obras:
- "Poema à Virgem"
- "Os feitos de Mem de Sá"
- "Arte e Gramática da língua mais usada na costa do Brasil"
- "A Cartilha dos Nativos" (Gramática tupu-guarani)
- "Carta da Companhia"
Padre Anchieta.
O jesuíta deixou sua marca em vários estados do Brasil. Em Anchieta, no Espírito Santo, onde ele morreu tem um museu em homenagem a ele. No quarto onde vivia está um pedaço do osso da perna de Anchieta.
Em Magé, região metropolitana do Rio, o jesuíta abençoou uma fonte. As águas têm fama de poder de cura. O local atrai turistas e ficou conhecido como o poço José de Anchieta.
José de Anchieta nasceu nas Ilhas Canárias, na Espanha, foi educado em Portugal e veio educar no Brasil. No século 16, num país sem estradas, sem facilidade nenhuma de transporte não deixa de ser impressionante o fato de Anchieta ter atuado na Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo.
A missão de Padre Anchieta era catequizar. No dia 25 de janeiro de 1554 fundou um colégio que daria origem à maior cidade da América Latina. São Paulo, agradecida, faz questão de lembrar o nome de Anchieta.
No Palácio Anchieta funciona a Câmara Municipal e é pela Rodovia Anchieta que a produção brasileira chega ao Porto de Santos para ser exportada.
“No começo da igreja não precisava de milagre. Era mártir. Dava a vida por Jesus. O que vale para Jose de Anchieta é a vida santa que ele teve. A vida heroica de sacrifício, a vida de oração muito grande. A marca dele é esse: é santo pela vida com Deus e pela vida com o povo, sobretudo índio”, fala a postuladora de santo, irmã Célia Cadorin.
Aprendeu a falar em tupi-guarani para se comunicar melhor com os índios. José de Anchieta vai ser canonizado sem um histórico de milagres. Para os religiosos a canonização mostra que a lição de Anchieta é atual para a igreja católica.
“O próprio Papa Francisco diz que a gente tem que ser uma igreja em saída. Anchieta nos lembra isso. Um homem que vai em busca, ele foi ao encontro dos indígenas, conhecer a linguagem deles, conversar na língua deles. Formulou  a gramática da língua tupi. Foi um homem interessado em evangelizar levando em conta cultura daquela gente, respeitando a cultura e os valores daquelas pessoas”, explica o coordenador de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo, Tarcísio Marques  Mesquita.

O Padre Anchieta já foi beatificado, já ganhou o título de Apóstolo do Brasil e foi canonizado nesta quinta-feira (3). O Papa Francisco assinou, no Vaticano, na Itália, o decreto que canoniza o jesuíta. Padre Anchieta será chamado de São José de Anchieta.
No Brasil as homenagens já começaram em muitas cidades por onde o Padre Anchieta passou. Em praticamente todas as igrejas do Brasil os sinos tocaram às 9h na quarta-feira (2) para homenagear o santo padre.
"Às estrelas por caminhos difíceis". A frase em latim no quadro de Anchieta, de autoria do pintor Oscar Pereira da Silva (1865-1939), é um dos lemas fundamentais na Companhia de Jesus.
"Suportamos tudo isso, por amor dos eleitos"
Padre José de Anchieta


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá eu Gostária, da sua opinião.

...Notícias...