quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Castro Alves - Navio Negreiro - 1ª parte

Olá, meus queridos leitores do “Cantinho da Literatura”
Estou encerrando as homenagens dos escritores brasileiros deste ano. Espero que tenham curtido esses 40 nobres poetas; sei que não foi e nem será possível homenagear todos os escritores, afinal, são muitos, mas procurei diversificar entre os mais antigos e os mais contemporâneos.
Para encerrar, escolhi esse grande escritor abolicionista Castro Alves, presenteando a todos essa linda e emocionante poesia “Navio Negreiro”. Por ser muito grande, será dividida em partes, para cada semana desse mês.
No próximo ano, o “Cantinho da Literatura” vai buscar novos escritores, ou seja, os mais atuais, com uma seleção bem especial para vocês.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Antônio Frederico de Castro Alves (Curralinho, 14 de março de 1847 - Salvador, 6 de julho de 1871) foi um poeta brasileiro.
Nasceu na fazenda Cabaceiras, a sete léguas (42 km) da vila de Nossa Senhora da Conceição de "Curralinho", hoje Castro Alves, no estado da Bahia.
Suas poesias mais conhecidas são marcadas pelo combate à escravidão, motivo pelo qual é conhecido como "Poeta dos Escravos". Foi o nosso mais inspirado poeta condoreiro.

NAVIO NEGREIRO
Poesia abolicionista de Castro Alves
Navio negreiro (também conhecido como "navio tumbeiro") é o nome dado aos navios de carga para o transporte de escravos, especialmente os escravos africanos, até o século XIX.
Aprisionados no interior da África subsaariana, por outros africanos que lucravam com o tráfico, os escravos eram trazidos em marcha forçada até o litoral do continente, onde os sobreviventes, que não haviam sido comercializados localmente, eram despojados de suas roupas e eventuais pequenos pertences que ainda carregassem consigo, para serem vendidos aos comerciantes europeus, que os embarcavam nos navios negreiros.

I
'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
Brinca o luar - dourada borboleta;
E as vagas após ele correm... cansam
Como turba de infantes inquieta.
'Stamos em pleno mar... Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro...
O mar em troca acende as ardentias,
- Constelações do líquido tesouro...
'Stamos em pleno mar... Dois infinitos
Ali se estreitam num abraço insano,
Azuis, dourados, plácidos, sublimes...
Qual dos dous é o céu? qual o oceano?...
'Stamos em pleno mar... Abrindo as velas
Ao quente arfar das virações marinhas,
Veleiro brigue corre à flor dos mares,
Como roçam na vaga as andorinhas...
Donde vem? onde vai? Das naus errantes
Quem sabe o rumo se é tão grande o espaço?
Neste saara os corcéis o pó levantam,
Galopam, voam, mas não deixam traço.
Bem feliz quem ali pode nest'hora
Sentir, deste painel a majestade!
Embaixo - o mar em cima - o firmamento...
E no mar e no céu - a imensidade!
Oh! que doce harmonia traz-me a brisa!
Que música suave ao longe soa!
Meu Deus! como é sublime um canto ardente
Pelas vagas sem fim boiando à toa!
Homens do mar! ó rudes marinheiros,
Tostados pelo sol dos quatro mundos!
Crianças que a procela acalentara
No berço destes pélagos profundos!
Esperai! esperai! deixai que eu beba
Esta selvagem, livre poesia
Orquestra - é o mar, que ruge pela proa,
E o vento, que nas cordas assobia...
Por que foges assim, barco ligeiro?
Por que foges do pávido poeta?
Oh! quem me dera acompanhar-te a esteira
Que semelha no mar - doudo cometa!
Albatroz! Albatroz! águia do oceano,
Tu que dormes das nuvens entre as gazas,
Sacode as penas, Leviathan do espaço,
Albatroz! Albatroz! dá-me estas asas.
Continuaremos com essa emocionante poesia na próxima semana e como falei anteriormente, durante o mês de dezembro. É muito importante para todos que nos conscientizemos cada vez mais com a situação dos negros, que até hoje sofrem muita discriminação.
Vamos refletir melhor sobre a "CONSCIENTIZAÇÃO NEGRA"
Ai! Que vale a vingança, pobre amigo. Se na vingança, a honra não se lava?




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá eu Gostária, da sua opinião.

...Notícias...