sábado, 30 de junho de 2012

Mário Quintana


Boa noite, meus queridos amigos. Tenho prestigiado pensadores, escritores, poetas, enfim, algumas dessas pessoas maravilhosas que têm o dom de pensar e escrever coisas bonitas para nós; e sempre o faço no final de cada edição, mas resolvi presentear esse blog da amizade com mais uma categoria de um jeito mais direto, homenageando alguns poetas e pensadores, iniciando assim com Mário Quintana, pois teremos muitas inspirações e momentos de reflexão com algumas de suas obras.



Há algum tempo, postei algumas obras do grande poeta José Saramago, Clarice Lispector, assim como Vinícius de Moraes e outros desses magníficos poetas e pensadores  escritores; mas agora, especificamente, teremos esse espaço, para que possamos conhecer melhor esses gênios da nossa literatura.
Para começar, escolhi um lindo poema que tem muito a ver com a nossa distração em relação ao nosso tempo...


O TEMPO (Mário Quintana)
A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.
 

Mario de Miranda Quintana foi um poeta, tradutor e jornalista. É considerado um dos maiores poetas brasileiros do século 20.

Mario de Miranda Quintana nasceu prematuramente na noite de 30 de julho de 1906, na cidade de Alegrete, situada na fronteira oeste do Rio Grande do Sul. Seus pais, o farmacêutico Celso de Oliveira Quintana e Virgínia de Miranda Quintana, ensinaram ao poeta aquilo que seria uma de suas maiores formas de expressão - a escrita. Coincidentemente, isso ocorreu pelas páginas do jornal Correio do Povo, onde, no futuro, trabalharia por muitos anos de sua vida. 
Ao comemorar os 80 anos de Mario Quintana, em 1986, a Editora Globo lança a coletânea 80 Anos de Poesia. Três anos depois, ele é eleito o Príncipe dos Poetas Brasileiros, pela Academia Nilopolitana de Letras, Centro de Memórias e Dados de Nilópolis e pelo jornal carioca A Voz. Em 1992, A Rua dos Cataventos tem uma edição comemorativa aos 50 anos de sua primeira publicação, patrocinada pela Ufrgs. E, mesmo com toda a proverbial timidez, as homenagens ao poeta não cessam até e depois de sua morte, aos 88 anos, em 5 de maio de 1994.
Boa noite e até a próxima edição .
Abraços da amiga Janete


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá eu Gostária, da sua opinião.

...Notícias...